Departamento de Esperanto

DECEYP

(Criado em 07/12/1997)

"A língua auxiliar é um dos mais 
fortes brados pela fraternidade,
que ainda se ouve nesse planeta
empobrecido de valores 
espirituais, neste instante de 
isolacionismo, de autarquia, 
de egoísmo e de nacionalismo adulterado." Emmanuel

A criação do DECEYP
O DECEYP em 2004
O DECEYP em 2005
O DECEYP em 2006
O DECEYP em 2007
O criador do Esperanto
A Missão do Esperanto
A Missão do Esperanto no Terceiro Milênio
Conheça um pouco da gramática do ESPERANTO

A criação do DECEYP

A partir do II DOMINGO ESPERANTISTA realizado no CEYP, em 07/12/97, foi criado o Departamento de Esperanto do Centro Espírita Yvonne Pereira (DECEYP), com atividades conjuntas, objetivando o estudo e a divulgação da Língua Internacional Esperanto. O responsável pelo Departamento, desde sua criação, é o sr. Rogério de Freitas que vem coordenando as atividades esperantistas do CEYP. Junto ao 9º Aniversário do CEYP, comemorado no dia 18/jan/1998, os membros do recém-criado DECEYP se apresentaram juntamente com suas atividades já em exercício. Na oportunidade, houve também apresentação de canções em Esperanto.

O II Domingo Esperantista ocorreu de 10:00h às 17:00h. Inicialmente, os participantes fizeram uma homenagem junto ao busto de L. L. Zamenhof (criador do Esperanto), na cidade de Valença, com canto do hino 'La Espero' e posterior partida para Rio das Flores (17 km de Valença). No centro da cidade de Rio das Flores houve uma pequena passeata até o CEYP com uso de faixa que anunciava o evento. Muitos dos participantes estavam com camisas que divulgavam o idioma. Lá, ocorreram duas palestras do sr. Givanildo Ramos Costa (USEERJ), uma do sr. Luiz Alberto de Oliveira Coelho (Delegado Regional da UEA) e uma do orador Marcus Vinícius Telles (SPLEB). Na ocasião houve também uma peça teatral 'Os cinco náufragos' e canções líricas em Esperanto. Foi quando nasceu, oficialmente, o DECEYP.
Membros do DECEYP divulgando o Esperanto no projeto Banca Esperantista de Valença, em 2002. A partir da esquerda: Evandro de Freitas, Evandro Avellar, Rogério de Freitas, Máguida Felizarda.

Veja as principais atividades realizadas pelo DECEYP ao longo de sua existência:

Criação da página eletrônica  www.stargateway.com.br/pessoais/esperanto (desativada) para divulgação de suas atividades e do Esperanto.
Realização do AGO-TAGO por 04 anos, evento que acontece uma vez ao ano mundialmente.
Serviço via internet através do endereço eletrônico deceyp@bol.com.br  (ativo) para assuntos ligados ao Esperanto.
Lançamento mensal de informações gerais sobre o Esperanto e seu movimento através do informativo do Clube do Livro Espírita Camilo Castelo Branco (CLE-CCB).
Lançamento anual do boletim do DECEYP.
Promoção de, em média, 02 cursos básicos de Esperanto para os freqüentadores do CEYP.
Distribuição de mais de 10.000 panfletos contendo informações básicas sobre o Esperanto.
Distribuição de milhares de disquetes contendo um curso básico de Esperanto via computador.
Realização anual do EEE (Evento Esperantista Espírita), geralmente acontecendo em dezembro ou janeiro. Este evento caracteriza-se por ser prioritariamente voltado para os interesses esperantistas, porém sob o bom senso espírita. 
Disponibilização e ampliação de obras esperantistas na biblioteca do CEYP.

 

O DECEYP em 2004

Em 2004 o DECEYP promoveu aulas de Esperanto em 03 cidades, a saber:  Rio das Flores, Valença e Barra do Piraí, tendo obtido sucesso, dentro de seus objetivos, nas duas últimas cidades supra citadas.Todos estão convidados para participarem a partir de 20 de março de 2005 desta nova visão de mundo!

   

O DECEYP em 2005

O DECEYP (Departamento de Esperanto do Centro  Espírita Yvonne Pereira) realizou em 2005 as seguintes atividades:

1) Estudo sobre Esperanto para todas as idades, com ENTRADA  FRANCA, ocorrido em Valença, aos domingos, das 09:00h às 10:00h, no Centro Espírita Amor, Humildade e Caridade, próximo a Caixa Econômica Federal, no qual foram abordados os temas: O Ensino de Línguas Estrangeiras nas Escolas; Liga Internacional de Professores de Esperanto; O Parlamento Europeu e a UNESCO em defesa do Esperanto; O movimento esperantista local, regional, estadual, nacional e internacional; A visão da nova diretoria da Liga Brasileira de Esperanto; Visão tradicional e moderna do movimento; Esperanto e Internet; História, músicas, vídeos, livros, revistas, jornais; O esperanto na visão espírita; Esperanto é apoiado por 73 milhões de pessoas.

2) Participação no  60º ENCONTRO DE  ESPERANTO DO VALE DO PARAÍBA DO SUL em Paraíba do Sul-RJ;

3) Distribuição gratuita de 10 coleções Audu kaj Lernu (Ouça e Aprenda), disponibilizando aos interessados dois livros (bilíngüe) e uma fita de áudio para acompanhamento do aprendizado além da apresentação de uma diversidade de material didático;

4) Aula sobre o busto de Zamenhof na Praça XV de Novembro (Jardim de Baixo) em Valença-RJ;

5) Convite à cantora esperantista Vera Jordan para apresentação em janeiro de 2006 durante o aniversário do CEYP.

 

O DECEYP em 2006

No dia 14/jan/2006, em homenagem ao 18º aniversário de fundação do CEYP, a cantora espírita-esperantista e compositora Vera Jordan, do Rio de Janeiro, aceitou nosso convite e veio contemplar a todos os presentes, durante meia hora de arte, a partir das 10:30h. Dentre as canções apresentadas, ela cantou "Lando de Paco" (País da Paz) de seu CD "Esperanta Vocho". Foi um momento de redobrada alegria por parte dos ouvintes, uma vez que Yvonne A. Pereira dedicou-se também ao idioma Esperanto. 

 

O DECEYP em 2007

O DECEYP (Departamento de Esperanto do Centro  Espírita Yvonne Pereira) realizou em 2007 as seguintes atividades:

1) Doação do livro ESPERANTO CONVERSACIONAL, do prof. Jair Salles, para dois interessados em iniciar um curso básico de Esperanto: um deles da cidade de Valença-RJ e o outro de São Gonçalo-RJ.

2) Oferta de um CD, gratuito ao interessado, contendo um curso de Esperanto em 12 lições, com recursos modernos de áudio e variados exercícios. Tal é o sucesso deste curso, que ele já se encontra disponibilizado pelo autor para 27 idiomas. Você pode também auxiliar nesta campanha doando pelo menos um CD-R para gravação do programa. 

 *   *   *   *   *

“É PRECISO HUMANIZAR O CENTRO ESPÍRITA.” 

“O ESPERANTO É O ESPIRITISMO DAS LINGUAGENS” 

Divaldo Pereira Franco.

A comunicação entre os espíritos do nível evolutivo terrestre não é realizada pelo pensamento.

A humanidade fala idiomas diferentes (mais de seis mil línguas e dialetos, sendo que 120 são faladas por mais de um milhão de pessoas e as outras, por grupos menores) e a grande maioria dos mais de 6,1 bilhões de seres humanos entende, apenas, seu próprio idioma.   Existe, todavia, uma forma de se falar, e de se escrever, que tem caráter universal.  Trata-se do Esperanto.  Idioma criado por Lázaro Luis Zamenhof, utilizado por mais de três milhões de pessoas pelo mundo. O Esperanto é um convite para aqueles que almejam um mundo novo, sem fronteiras e barreiras culturais ideológicas ou raciais.  

  *   *   *   *   *

O criador do Esperanto

  LÁZARO LUIZ ZAMENHOF nasceu em 15 de dezembro de 1859 na cidade de Bialystok, na Polônia. A cidade não era grande. Nela viviam pessoas de várias orígens, que falavam línguas diferentes e isso constantemente causava desentendimentos e conflitos sociais. O menino Lázaro nasceu e cresceu nesse ambiente e ainda criança percebeu a necessidade de uma língua comum para o relacionamento entre pessoas de diferentes línguas. Passou a estudar com profundidade o hebraico, o latim e o grego, além de algumas línguas modernas, como o francês e o inglês, constatando mais tarde que nenhuma delas serviria para esse objetivo.

Com a persistência dos gênios que colocam seus ideais acima de tudo, passou a elaborar uma nova língua, tomando como base o latim e utilizando elementos mórficos de maior internacionalidade. Ao terminar o curso ginasial já havia esboçado toda a estrutura da nova língua; interrompeu o projeto ao iniciar seus estudos universitários.

Formando-se em medicina, retomou os trabalhos, dedicando todo o tempo disponível para a elaboração, experimentação e aperfeiçoamento da língua. Aos 28 anos de idade, finalmente, sua obra estava pronta. Mas restava um último detalhe: como publicá-la, sendo sua situação financeira bastante precária? De onde viriam os recursos?

Um auxílio surgiu de onde ele menos esperava. Seu futuro sogro, homem afeto à cultura, financiou totalmente a publicação da obra, que veio a público em 26 de julho de 1887. Era uma obra com as instruções em russo e chamava-se "LINGVO INTERNACIA" (Língua Internacional), de autoria de "DOKTORO ESPERANTO", que na nova língua significa: "DOUTOR QUE TEM ESPERANÇA".

Com o decorrer do tempo, o nome "ESPERANTO" passou a ser usado por seus aprendizes, para denominar a própria língua. Pouco tempo depois eram lançadas as edições em polonês, francês, alemão, etc. Sem deixar a profissão, ZAMENHOF trabalhou ardorosamente na divulgação da Língua Internacional. Tamanha importância deu à propagação de seu ideal que, só depois de concluída e editada sua obra, veio a casar-se com Clara Silbernik, com quem teve 3 filhos.

Em 1905, aconteceu na França o primeiro Congresso Mundial de Esperanto, onde se reuniram centenas de pessoas de vários países, comunicando-se em uma única língua. Em março de 1917, sempre desejando a Paz, faleceu ZAMENHOF. O seu corpo repousa no cemitério israelita de Varsóvia, juntamente com o de Clara, o amor de toda sua vida e sua incansável colaboradora. Hoje, lá, podemos encontrar flores ofertadas por esperantistas de todo o mundo.

ZAMENHOF foi um homem iluminado, de moral superior, dotado de extraordinária força de vontade na divulgação de seu ideal humanístico. Foi um verdadeiro universalista, pacifista e pensador que lutou contra toda espécie de sectarismo. Em todos os países civilizados há monumentos, ruas, praças e bibliotecas com o seu nome. Todos os anos, no dia 15 de dezembro, realizam-se eventos esperantistas no mundo inteiro, para comemorar o aniversário do iniciador da Língua Esperanto.

  

A Missão do Esperanto

"No cômputo das transformações por que passa o mundo, não são poucos os núcleos de organização espiritual que se instalam na Terra com vistas ao porvir da humanidade.

Se por toda parte observamos o esboroamento das obras humanas, a fim de que se renove o caminho da civilização, contemplamos também as atividades do exército de operários das edificações do futuro, como se fossem construtores de um novo mundo, dispersos nas estradas terrestres, procurando ajustar suas diretrizes.

São esses, sim, os artífices do progresso divino. Empunham o alvião formidável da fé, acima de tudo, n'Aquele que é a luz dos nossos destinos. No acervo desse aparelhamento de energias renovadoras, objetivando o vindouro milênio, quero referir-me ao ESPERANTO, abraçando fraternalmente o nosso irmão que se constituiu pregoeiro sincero da sua causa, obedecendo ao determinismo divino das tarefas recebidas nas luzes do plano espiritual.

Jesus afirmava não ter vindo ao planeta para destruir a Lei, como o Espiritismo na sua feição de Consolador, não surgiu para eliminar religiões existentes. O Mestre vinha cumprir os princípios da lei, como a doutrina consoladora vem para a restauração da Verdade, reconduzindo a esperança aos corações, nesta hora torva do mundo, em que todos os valores morais do orbe periclitam nos seus fundamentos, assaltados pelas doutrinas da violência, que embriagam o cérebro da civilização atual, qual veneno amargo a destruir as energias de um corpo envelhecido.

Também o ESPERANTO, amigos, não vem destruir as línguas utilizadas no mundo, para o intercâmbio dos pensamentos. A sua missão é superior, é da união e da fraternidade rumo a unidade universalista. Seus princípios são os de concórdia e seus apóstolos são igualmente companheiros de quantos se sacrificam pelo ideal divido da solidariedade humana, nessas ou naquelas circunstâncias.

A língua auxiliar é um dos mais fortes brados pela fraternidade, que ainda se ouve nesse planeta empobrecido de valores espirituais, neste instante de isolacionismo, de autarquia, de egoísmo e de nacionalismo adulterado.

O exemplo da Europa moderna nos faculta uma idéia dessa penosa situação. Todos os povos tem seus advogados entusiastas que com orações ardorosas, justificam esta ou aquela medida de seus governos. As nações são grandes tribunas onde cada um fala de si mesmo, humilhando ou conquistando o que é seu irmão. Cada um aplaude o crime político, desde que seja praticado dentro de suas fronteiras. Entretanto, a grande Europa, essa entidade maternal e sublime, que cooperou para o aperfeiçoamento da humanidade, que instruiu e educou, elevando o espírito do mundo, essa não tem advogados, não dispõe de uma voz que externe os gemidos de seu coração dilacerado, porque as fronteiras lhe dividiram todos os seus filhos, estabelecendo separações de areia e aço, transformando-a num deserto triste de corações, onde não existe a fonte de amor, para reconfortar as almas.

Sim, nesta hora o ESPERANTO é uma força que atua para a união e a harmonia, com o facilitar que se estabeleça a permuta dos valores universais do pensamento, em forma universalista. Sonho? Propaganda só de palavras? Novo movimento para criar um interesse econômico? Todas essas suposições poderão ser formuladas pelos espíritos desprevenidos; mas, somente pelos desprevenidos que aguardam a adesão geral, para comodamente expressarem suas preferências. Os que, porém, buscam a luz da sinceridade para o exame de todos os assuntos, saberão encontrar, no movimento esperantista, essa claridade reveladora que, em realizações sagradas, desde agora esclarecerá, mais tarde, as idéias do mundo, fazendo ressaltar a nobreza dos seus princípios, orientados por aquela fraternidade que nasce do pensamento divino de Jesus, para todas as obras da evolução humana.

Sim, o ESPERANTO é lição de fraternidade. Aprendamo-la, para sondar, na Terra, o pensamento daqueles que sofrem e trabalham noutros campos. Com muita propriedade digo: "aprendamo-la", porque somos também companheiros vossos que, havendo conquistado a expressão universal do pensamento, vos desejamos o mesmo bem espiritual, de modo a organizarmos na Terra, os melhores movimentos de unificação.

Deus é venerado pelos homens através de numerosas línguas, de que se servem as seitas e as religiões, todas tendendo para o maravilhoso plano da unidade essencial. Copiemos esse esforço sábio da natureza divina e marchemos para a síntese da expressão, malgrado a diversidade dos processos com que exprimem os pensamentos.

Todo esse esforço é de fraternidade legítima e, rogando a Jesus que abençoe os trabalhos e as esperanças de nosso irmão presente, que lhe santifique os esforços e os de seus companheiros nas tarefas que lhes foi deferida pelas forças espirituais, deixo-vos a todos vós os meus votos de paz, aguardando para todos nós, discípulos humildes do Cristo, a benção reconfortante do seu amor." 

Emmanuel

(Mensagem recebida em 19 de janeiro de 1940, pelo médium Francisco C. Xavier, dirigida a ISMAEL GOMES BRAGA e publicada em "Reformador" de fevereiro/1940, pág. 46 e 47.)

  

A Missão do Esperanto no Terceiro Milênio

No crepúsculo deste século e milênio, as dores se acumulam sobre o dorso da Humanidade sofrida, chibateando as vidas que se estiolam, ao tempo que sucumbem os nobres ideais de dignificação e de liberdade.
Desastres inomináveis e cataclismos horrendos sucedem-se, desarvorando nações e ceifando esperanças que são substituídas pela loucura que varre o planeta em todas as direções.
A tirania absurda e os crimes hediondos cavalgam sobre a sociedade, conduzindo ao aniquilamento cidades e povos, que estertoram sob o despotismo insano dos vândalos que se permitem a dominação arbitrária.
A corrupção desmedida nivela os governos, que se deveriam caracterizar pela dignidade, aos criminosos que fingem combater.
A volúpia pelo poder, pelo armazenar de valores transitórios que passam de mãos, envilece os sentimentos humanos e as paixões inferiores desbordam em caudal desenfreado.
Os elevados contributos do progresso, que deveriam ser utilizados para a glorificação do ser humano, são aplicados para a extravagância de alguns indivíduos e a exorbitância de outros, ante o olhar esgazeado dos miseráveis que os espiam famélicos e enfermos esquecidos em inominável abandono.
A insensatez e o descalabro erguem seus monumentos à infâmia, enquanto as massas rebolcam nos sorvedouros das necessidades mais prementes, sem oportunidade de conseguirem alguma coisa.
Em toda parte da Terra, a perversão abraça a indiferença das Leis, as guerras e carnificinas cruéis campeiam desarvoradas e as tentativas de paz, mediante acordos sucessivos, que são logo desrespeitados, abrem espaço para novos conflitos. 
Ameaças de destruição do planeta pairam em todo lugar sob o clamor da violência asselvajada e dos expressivos grupos de extermínio de pessoas, sob os camartelos da ignorância e da ausência de amor.
O século da ciência e da tecnologia com todas as suas glórias e conquistas incomparáveis, infelizmente sombreia-se com nuvens espessas de fumo e poeira dos incêndios de ódios e das destruições de toda ordem.
As grandiosas realizações da cultura e da civilização parecem ceder lugar ao galopar desenfreado da barbárie de volta e ao aplauso do cinismo...
Não obstante, simultaneamente, estuam o dever e a solidariedade, o sacrifício e a abnegação, a educação e o amor, o desenvolvimento ético-moral e a esperança, porque o ser humano marcha inexoravelmente no rumo da Grande Luz.
Os ideais da Liberdade, da Fraternidade e da Igualdade permanecem triunfantes, embora pouco conhecidos, aguardando o momento de transformarem para melhor a sociedade terrestre, que avança na busca da felicidade.
Lentamente, os direitos humanos, são  reanalisados e levados em consideração por homens, mulheres e organizações internacionais que confiam no processo da evolução moral dos seres, exigindo respeito, em infatigável esforço para banirem a intolerância, os preconceitos mesquinhos e o totalitarismo, como quer que se apresentem.
O sol da Nova Era surge na imensa noite, conforme previsto por Jesus Cristo, que ora se legitima.
O Evangelho, que não foi vivido na sua pureza primitiva por aqueles que se comprometeram apresentá-lo à humanidade através dos tempos, face à astúcia e ao primarismo de que eram portadores, que exploraram a credulidade e a ignorância, poderia ter evitado a hecatombe que ora se abate sobre o mundo, após os séculos de silêncio e da morte dos heróis do Espiritismo que o atualiza, conforme o pensamento científico do momento, preparando o advento da nova sociedade.
Ficando suas bases na investigação dos fatos, o Espiritismo libera a Boa Nova das peias dogmáticas e das influências medievais que ainda remanescem nas igrejas que se propõem a divulgá-la, interpretando-lhe o conceito incomparável de forma consentânea com as conquistas hodiernas, para oferecê-lo às criaturas com diretriz de segurança e de felicidade.
O século, porém, de Allan Kardec, também viu nascer Zamenhof, que deveria contribuir para a derrubada das fronteiras lingüísticas, que tanto separam os seres humanos e os afligem, limando as diferenças internacionais e facultando mais seguro intercâmbio de pensamento e de valores ideológicos entre todos os homens sob a dadivosa misericórdia do Pai Criador.
Acompanhando as tragédias resultantes dos conflitos lingüísticos e raciais, na sua Bialystok natal, sofrida e necessitada, sentiu, no mais profundo do ser, o imperioso dever de modificar a situação insuportável que predominava então, mergulhando o pensamento na memória profunda onde se encontrava arquivada a língua internacional Esperanto - que conhecera no Mais Além e, trabalhando, sem cansaço, em 1887 apresentou-a como sendo um sublime elo para a união de todos os povos, de todas as pessoas do mundo.
A trilogia abençoada, em forma de um triângulo equilátero E/E\E - Evangelho, Espiritismo, Esperanto - encerraria a mensagem de Jesus, simples e inconfundível, a Doutrina dos Espíritos,aprofundada e clara, e o idioma da fraternidade, para unir todos os seres humanos em uma só família.
Língua neutra, que respeita o idioma de cada nação, é o traço de perfeita identificação entre os mais diversos, favorecendo mentes e corações com harmonia, e compreensão lúcida, desse modo ampliando os horizontes da cultura e do amor entre os povos.
Anunciando-se o novo Milênio entre as sombras que já começam a esboroar-se, o Esperanto permanece com a missão de unir os homens fraternalmente, graças à facilidade de comunicação que oferece a sua simplicidade gramatical, exatamente quando o Evangelho, lenindo as dores gerais, a prepará-los para os avanços que o Espiritismo oferece na conquista do Infinito.
Atingindo a culminância do progresso científico-tecnológico neste esfumar de século, esse que se avizinha, irradiará arte e beleza sobre a Terra renovada e feliz, quando o Esperanto, vencendo a tenaz resistência dos povos ambiciosos e apaixonados, assim como das Nações que não alteram o orgulhoso sonho da prepotência em relação às outras, cederem lugar à vigência da língua internacional, que flui do Céu, na direção da Terra e se elevará do mundo em canto incomparável de encantamento no rumo do Infinito.

(Mensagem psicografada por Divaldo Pereira Franco, na reunião mediúnica de 08-09-99 do Centro Espírita Caminho de Redenção, em Salvador-BA.)