Um pouco da gramática do ESPERANTO

Algumas regras

        A aprendizagem de qualquer língua exige tempo e estudo. Todavia, para aprender o Esperanto, bem mais suave é o estudo e menor é o tempo despendido. Isto porque, quando da elaboração do Esperanto, o Dr. Zamenhof estabeleceu critérios que lhe dão essas vantagens. Destaquemos as seguintes:

        1) Gramática com poucas regras e sem exceções;

        2) Emprego de prefixos, sufixos e desinências padronizados;

        3) Uso de raízes internacionais na formação de palavras que, escritas de forma semelhante em diversas línguas, e com o mesmo significado, constituem a base do vocabulário do Esperanto, composto, aproximadamente de:
            - 60% de radicais de origem latina,
            - 30% de origem anglo-germânica e
            - 10% de origem diversa.
        Exemplos: hotelo, hospitalo, radio, rozo, decembro, leono, modelo, libro, sako, forta, granda, inteligenta.
        Isso facilita muito a compreensão dos textos em Esperanto, principalmente para nós, que falamos língua de origem latina. 

        Toda a gramática do Esperanto está estruturada em 16 regras básicas. Eis alguns exemplos de sua simplicidade:

        a) Os verbos não variam em pessoa nem em número, o que quer dizer que não há verbos irregulares em Esperanto! São usadas as terminações:
            - "as" (presente),
            - "is" (passado),
            - "os" (futuro),
            - "us" (condicional),
            - "u" (imperativo),
            - "i" (infinitivo).
        Exemplos:

Mi amas (eu amo) Mi kantas (eu canto)
Mi amis (eu amei) Vi kantas (tu cantas)
Mi amos (eu amarei) Li kantas (ele canta)
Mi amus (eu amaria) Ni kantas (nós cantamos)
Amu (ama, amai ...) Vi kantas (vós cantáis)
Ami (amar) Ili kantas (eles cantam)


        b) Toda palavra lê-se como está escrita (língua fonética). Como conseqüência, não há letras mudas ou mortas (kontakto lê-se contacto);

        c) A sílaba tônica é sempre a penúltima, ou seja, toda palavra é paroxítona:
            - analizo (análise), lê-se com acento na sílaba "li";
            - sandalo (sandália), lê-se com acento na sílaba "da";
            - telegramo (telegrama), lê-se com acento na sílaba "gra";
            - vera [verdadeiro(a)], lê-se com acento na sílaba "ve".
        Não há, portanto, dúvidas do tipo récorde/recorde, nóbel/nobel, rúbrica/rubrica, projétil/projetil, etc. nem pronúncias diferenciadas como sábia, sabia e sabiá;

        d) O artigo definido é "la", o mesmo para todos os gêneros, casos e número:
            - la bovo = o boi, la bovino = a vaca;
            - la bovoj = os bois, la bovinoj = as vacas.

        e) Pelas desinências podemos rapidamente identificar a categoria gramatical das palavras (o que facilita, inclusive, o trabalho de tradução):
            - Os substantivos, no singular e no nominativo, terminam em "o" - kato (gato), leono (leão), tigro (tigre), birdo (pássaro), kajero (caderno);
            - os adjetivos, que não variam em gênero, terminam em "a" - bela (bonito,bonita), eleganta (elegante), rapida (rápido/rápida), forta (forte), alta (alto, alta), blua (azul), verda (verde);
            - os advérbios derivados terminam em "e" - forte (fortemente), rapide (rapidamente), elegante (elegantemente).

        f) O sistema de afixos, por sua vez, é extremamente engenhoso. Também utilizado por outras línguas, no Esperanto ele funciona sem qualquer complicação. Assim, de uma só raiz podemos formar inúmeras palavras, mediante o acréscimo das desinências, dos prefixos e/ou dos sufixos. Muitas das palavras assim "criadas" não têm sequer correspondentes em outras línguas, que se vêem obrigadas a recorrer a expressões diversas para traduzí-las, demonstração inequívoca da riqueza do Esperanto.
        Por exemplo: a partir das palavras "bovo", "kato" e "leporo", que significam boi, gato e lebre, respectivamente, podemos formar várias outras palavras, algumas das quais sem o correspondente em Português, apenas com o acréscimo dos sufixos

            "-in" (feminino),
            "-id" (descendência),
            "-ar" (coletivo),
            "-ej" (lugar),
            "-et" (diminutivo) e
            "-eg" (aumentativo) :

bovo - boi kato - gato leporo - lebre
bovino - vaca katino - gata leporino - lebre fêmea
bovido - bezerro katido - filhote de gato leporido - filhote de lebre
bovejo - curral katejo - lugar de/ou para gato leporejo - lugar de/ou para lebre
bovaro - gado kataro - coletivo de gato leporaro - coletivo de lebre
boveto - boi pequeno kateto - gatinho, gato pequeno leporeto - lebre pequena
bovego - boi grande katego - gatão, gato grande leporego - lebre grande


        Veja também alguns exemplos com o prefixo "mal-", que forma os antônimos:
            - facila (fácil), malfacila (difícil);
            - juna (jóvem), maljuna (velho);
            - varma (quente), malvarma (frio/fria);
            - granda (grande), malgranda (pequeno, pequena).

        g) Só há um modo de se formar o plural: acrescentando-se a letra "j", que se lê como um "i" breve. Exemplos:
            - kato (gato) - katoj (gatos);
            - bela (belo,bela) - belaj (belos,belas) ;
            - forta (forte) - fortaj(fortes).

        h) As palavras interrogativas começam sempre pela letra "k":
            - kio? - O que?;
            - kiu? - Quem?;
            - kia? - Como? (qualidade);
            - kie? - Onde?;
            - kiam? - Quando?;
            - kiom? - Quanto?;
            - kial? - Por que?;
            - kies? - De quem?;
            - kiel? - Como? (maneira).

        i) Os números naturais são:

1(unu) 11 (dek unu)
2(du) 12 (dek du)
3(tri) ...
4(kvar) 20 (dudek)
5 (kvin) 30 (tridek)
6 (ses) ...
7 (sep) 100 (cent)
8 (ok) 101 (cent unu)
9 (nau) ...
10 (dek) 1000 (mil) ...

 

        Como você percebeu, tudo o que foi colocado até agora sobre a gramática demonstra claramente que o Esperanto é mesmo uma língua extremamente rica, simples e lógica.

        A gramática com apenas 16 regras fundamentais, as desinências gramaticais padronizadas e um genial sistema de afixos tornam o Esperanto uma língua aglutinante, capaz de expressar todas as nuances do pensamento. Isso facilita sobremodo a construção vocabular, não sendo necessário memorizar um grande número de palavras, como nas línguas nacionais.

        Aí está a grande facilidade do Esperanto. É uma língua que se aprende num tempo bem menor do que qualquer outra língua. Com poucas horas de estudo consegue-se ter uma visão global de sua gramática. Por tudo isso fica claro que o Esperanto é realmente simples, lógico e fácil.

 

Escrita

 

Alfabeto

 

Pronúncia

Extraído do livro "ESPERANTO CONVERSACIONAL - CURSO BÁSICO" de Jair Salles